Tag Archives: marcos maranhao media consulting

why brazilians buy

Why Brazilians Buy

Marketers and advertisers are constantly looking to understand the motivations of their customers—the details that make the difference between adding a product to your shopping cart or leaving it on the shelf. While proprietary research offers insights for specific targets and products, some recent studies also offer some general guidance that all marketing, media and advertising professionals may benefit from. After a review, we identified a number of factors that spur Brazilians to buy, including:

Brand Reputation
Nearly half (49%) of Brazilians who responded to a survey from Draft FCB indicated that a brand’s reputation has the greatest weight when it comes to a purchase decision. In contrast, only 35% of U.S. consumers and 22% of German consumers gave the most weight to a brand’s reputation. In addition, a study from IBOPE Media showed that 66% of Brazilians (classes A, B and C) favor brands that have proven track records in the market, while 67% of class D Brazilians feel this way. Finally, in the same survey, 56% of Brazilians from classes AB think that a brand’s popularity means its products are of higher quality, while 59% of class C Brazilians and 67% of classes D/E Brazilians feel this way.

Discounts
In response to a survey from IBOPE Media’s Target Group Index, 83% of Brazilians said that it’s necessary for them to find discounts and deals before buying any product.

Durability
Another IBOPE survey showed that 70% of Brazilian consumers take durability into consideration when buying a product, along with price. Interestingly, this survey also showed that a product’s sustainability or a brand’s reputation for being concerned about the environment do not yet seem to strongly influence the purchase decisions of Brazilian consumers.

Previous Experience
Another Target Group Index survey showed that for 75% of Brazilians, their previous experience with a product determines their decision to purchase it.

Opinions of Family
In the same Target Group survey cited in the previous point, 68% of Brazilians say that the opinions of family members influences their purchase decisions. In contrast, only 31% of Brazilians said that friends’ opinions influence their purchase decisions.

Social Media
Recent data from IBOPE Media’s Many-to-Many study indicates that 77% of Brazilians follow brands on social media. However, it’s important to note that 84% of Brazilians under 34 follow brands on social media, underscoring the importance of social media when trying to reach a younger audience in Brazil.
On average, Brazilian women tend to follow brands on social media more than Brazilian men (82% of women follow brands versus 72% of men), and each Brazilian who follows brands on social media follows an average of 6 brands.
However, the most important statistic to consider from this study is that 84% of Brazilians take opinions of others on social media into consideration during a purchase decision. These Brazilian consumers say opinions found on social media are most relevant when they are considering the purchase of electronic products (64%), telephone services (50%) and tourism (38%).

Other key points to consider when it comes to Brazilians and social media:

  • Irrelevant or repetitive content posted by brands on social media are the main reasons Brazilians stop following them
  • For 60% of Brazilians, too many messages posted on social media by brands lead to unfollows
  • Promotions, learning new things about the brands and being a customer are the top reasons for Brazilians following brands on social media

Online Advertising
In another IBOPE survey done in 2012, 22% of Brazilians said that web ads served as motivation for them to buy products or services on the Internet during the past and 17% said that ads on sites they visited were instrumental in their purchase decisions. In addition, 49% said that online sponsorships are an effective way to advertise a product and 37% said that banners are useful for finding interesting subjects on the Internet. Finally, nearly half of Brazilians (47%) say they prefer ads that are related to the content on the websites they visit and 28% are influenced by advertising on social networks.
To explore how we can help you reach Brazil’s growing ad market, please contact us.

[twitter style=”vertical” float=”left”] [fblike style=”box_count” float=”left” showfaces=”false” width=”450″ verb=”like” font=”arial”] [linkedin_share style=”top” float=”left”] [fbshare type=”button” float=”left”]

Woman Using Laptop --- Image by © Royalty-Free/Corbis

Lo que más hacen los latinoamericanos en Internet

Latinoamérica sigue siendo la región del mundo de más rápido crecimiento en cuanto a usuarios de Internet: entre diciembre 2010 y diciembre 2011 la audiencia online de Latam incrementó en un 16 por ciento. Esto fue una de las múltiples revelaciones interesantes de Futuro Digital Latinoamérica, una presentación por Internet realizada en marzo 2012 por comScore.

Más allá del crecimiento en cantidad, las investigaciones de comScore indican que hay 3 actividades de mayor popularidad entre los internautas de Latinoamérica. Tales actividades parecen tener implicaciones importantes para los profesionales en publicidad, medios y mercadeo.

#1 Buscar
Cada internauta en Latinoamérica realizado un promedio de 173 búsquedas, mucho mas alto que el promedio mundial de 129. El promedio de búsquedas por Internet de Latinoamérica superó hasta los de Norteamérica, Europa y Asia. Entre diciembre 2010 y diciembre 2011, la cantidad total de búsquedas realizadas por latinoamericanos aumentó en casi un 40 por ciento para llegar a 42 mil millones.

#2 Ver videos online
El reciente crecimiento espectacular de esta categoría hace que sea una opción intrigante a considerar para los anunciantes. Por ejemplo: los brasileños vieron 4,7 millones videos online en diciembre 2011, lo cual fue una cantidad un 74 por ciento más alta que la de diciembre 2010. En Chile la cantidad de videos en línea que vieron los internautas aumentaron en un 91 por ciento cuando se compara diciembre 2011 con diciembre 2010. Otros mercados también presentaron un crecimiento parecido durante este período: hubo un incremento del 80 por ciento y del 75 por ciento, respectivamente, en videos online vistos por usuarios de Internet en México y Argentina.

Por lo general, los videos en Internet tienen el mayor alcance con los internautas de Chile (88,7 por ciento) y Argentina (87,9 por ciento). Sin embargo, cuando se trata de la cantidad de videos visto por usuario, Chile lidera a Latinoamérica (con 147 videos vistos por persona) y México ocupa el segundo lugar, con 141 por persona.

Como empresa ya estábamos enterados de esta tendencia antes de revisar estas cifras y fue por eso que lanzamos Jumba Video Network el año pasado. Se trata de una red enorme de sitios con videos online que permite tanto buen alcance a toda Latinoamérica como segmentación precisa según el país, el grupo demográfico y muchas otras características pertinentes.

#3 Socializar
Cinco de los 10 países principales en el uso de medios sociales se encuentran en Latinoamérica. Argentina es N°2 en el mundo en el uso de medios sociales, ya que cada visitante argentino pasa un promedio de 10,7 horas en los sitios sociales. Los otros 4 países de Latam que están entre los 10 primeros del mundo en uso de medios sociales son Chile, Perú, Colombia y México.

El sitio social mayor de Latinoamérica es Facebook: atrajo 108 millones de visitantes entre diciembre 2010 y diciembre 2011, mucho más que los 33 millones que el sitio en segundo lugar —Orkut— atrajo. Durante este mismo período, Facebook creció en un 50 por ciento.

En 2011, el sitio de medios sociales que más creció en Latinoamérica realmente fue Tumblr: aumentó su cantidad de visitantes en un 232 por ciento. Ahora bien, aún es un sitio social relativamente pequeño —con unos 6,3 millones de usuarios—, por lo que hubo un buen margen disponible para su desarrollo. Entre los otros sitios sociales de rápido crecimiento en Latinoamérica en 2011 estuvieron LinkedIn (un crecimiento del 79 por ciento), Slideshare (un crecimiento del 77 por ciento) y Twitter (un crecimiento del 60 por ciento).

Para averiguar más acerca de Jumba Video Network o sobre nuestras opciones adicionales para llegar al floreciente mercado de internautas en Latinoamérica, por favor contáctenos: info@usmediaconsulting.com.

[twitter style=”vertical” float=”left”] [fblike style=”box_count” float=”left” showfaces=”false” width=”450″ verb=”like” font=”arial”] [linkedin_share style=”top” float=”left”] [fbshare type=”button” float=”left”]

social media brazil story

6 nuevas tendencias con los medios sociales en Brasil

Las últimas noticias en cuanto a medios sociales en Brasil señalan varias tendencias interesantes que los profesionales en mercadeo, publicidad y medios deben tomar en cuenta.

N°1 La penetración de los medios sociales en Brasil está casi en un 100 por ciento
Diversas fuentes han reportado diferentes índices de penetración para los medios sociales en Brasil, desde el 79 hasta el 87 por ciento o más. Sin embargo, los datos más recientes provienen de comScore, una de las fuentes más respetadas en cuanto a la medición del mundo online. Según el reporte It’s a Social World, publicado por comScore en diciembre 2011, el 97 por ciento de los internautas brasileños están usando los medios sociales.

N°2 La mayoría de los brasileños usan medios sociales para investigar productos antes de comprarlos
Un estudio realizado en 2011 por la empresa Oh! Panel indicó que el 61 por ciento de los brasileños buscan información sobre productos en los medios sociales antes de comprar. Además, el estudio encontró que el 81 por ciento de los internautas brasileños usan los medios sociales para buscar nuevos productos y más del 75 por ciento busca descuentos especiales.

N°3 Los posts en los medios sociales influyen a la mayoría de los brasileños en cuanto a lo que deben comprar
El mismo estudio de Oh! Panel reveló otra tendencia interesante: el 79 por ciento de los brasileños dicen que cuando se trata de productos, tienen más confianza en posts de familiares y amigos en los medios sociales que en los de especialistas en productos.

N°4 Muchos brasileños piensan que los medios sociales son buenas fuentes sobre las experiencias con marcas
Un estudio publicado en octubre 2011 se centró en las actitudes de los internautas en Brasil, China, India y los Estados Unidos hacia las redes sociales. Casi un tercio de los brasileños (31 por ciento) estuvo de acuerdo con la siguiente declaración: “Los sitios de redes sociales son buenas fuentes para información difundida de boca en boca sobre experiencias con las marcas”. Esto resultó ser significativamente más alto que las respuestas de personas de otros países a la misma declaración.

N°5 Facebook les fascina a los brasileños
En diciembre 2011 el visitante brasileño promedio pasó 4,8 horas en Facebook; se trata de un incremento enorme comparado con diciembre 2010, cuando los visitantes brasileños a Facebook pasaron un promedio de sólo 37 minutos en el mismo. Dado esto, no sorprende que en diciembre 2011 Brasil se volvió el país N°4 en usuarios de Facebook en todo el mundo. Actualmente 36,1 millones de brasileños están en Facebook y el sitio ha crecido en un 250 por ciento en los últimos 4 años. Como parte de este crecimiento impresionante, cabe notar que Facebook fue el medio N°1 de anuncios display en Brasil en diciembre 2011. Su cuota del mercado fue del 17 por ciento, más que los otros gigantes digitales del país como Globo, UOL, Terra y Google.

N°6 Vostu y Tumblr están creciendo rápidamente en Brasil
Según comScore, entre diciembre 2010 y diciembre 2011 Vostu ganó un 338 por ciento más de visitantes únicos, mientras que Tumblr creció en un 206 por ciento en este aspecto. Estas cifras no sorprenden cuando se toma en cuenta que Vostu es un sitio social de juegos y los brasileños se gastaron US$2 mil millones en juegos online en 2011. Además, Ipsos reportó recientemente que el 71 por ciento de los brasileños visitan blogs, por lo que resulta lógico que les guste ir a Tumblr, una plataforma de blogging que también es un medio social.

Para averiguar más acerca de cómo podemos ayudarle a llegar al mercado brasileño con una campaña estrategia con cualquier tipo de medio, por favor contáctenos: info@usmediaconsulting.com.

[twitter style=”vertical” float=”left”] [fblike style=”box_count” float=”left” showfaces=”false” width=”450″ verb=”like” font=”arial”] [linkedin_share style=”top” float=”left”] [fbshare type=”button” float=”left”]

Mercado Publicitário Brasileiro Cresce 8,5% em 2011

Cifras recém-divulgadas pelo Projeto Inter-Meios revelam que o faturamento publicitário alcançou a marca dos R$ 39 bilhões (US$ 22,5 bilhões) no Brasil em 2011, R$ 28 bilhões (US$ 16 bilhões) dos quais apenas com vendas de espaços para anúncios.

Em 2010, o setor publicitário faturou R$ 21 bilhões, 20% a mais do que em 2009. A televisão aberta manteve a liderança nos investimentos publicitários, respondendo por 63% de todos os gastos com propaganda. A tabela abaixo discrimina as receitas publicitárias auferidas por diferentes mídias brasileiras:

Observe que o Projeto Inter-Meios indica que a internet ficou com uma fatia de apenas 5,1% dos investimentos publicitários totais no Brasil, enquanto as cifras divulgadas pelo IAB Brasil revelam que o mercado on-line absorveu 10% dos investimentos totais com publicidade. É possível que essa diferença se deva ao método de cálculo dos investimentos publicitários na internet. O IAB Brasil chega a essa cifra somando anúncios por busca e do tipo display, uma vez que esses componentes respondem, individualmente, por 50% de todos os investimentos publicitários na internet no Brasil. O Projeto Inter-Meios parece não fazer essa distinção, o que explica a diferença entre os valores divulgados pelas duas organizações.

Em que pese essa diferença, o Projeto Inter-Meios observou que os investimentos publicitários na internet cresceram quase 20% em 2011, mais do que os realizados em qualquer outra mídia. A publicidade externa no Brasil também apresentou um crescimento impressionante em 2011: 12%. Os investimentos publicitários na mídia impressa brasileira também cresceram em 2011: os investimentos em jornais aumentaram 3,8% e, nas revistas, 3,5%.  Esse forte crescimento em gastos publicitários nesse setor confirma estatísticas recentes segundo as quais a mídia impressa está indo muito bem no Brasil, diferentemente do que se observa em outros mercados.

De acordo com o Projeto Inter-Meios, as únicas mídias brasileiras que apresentaram queda em 2011 foram a dos cinemas e a dos guias.

Para saber como podemos ajudá-lo a alcançar o Brasil com uma campanha estratégica que usa todas as mídias, entre em contato conosco pelo endereço info@usmediaconsulting.com.

[twitter style=”vertical” float=”left”] [fblike style=”box_count” float=”left” showfaces=”false” width=”450″ verb=”like” font=”arial”] [linkedin_share style=”top” float=”left”] [fbshare type=”button” float=”left”]

 

Class C photo

5 maneiras de se alcançar a Classe C no Brasil

Há muito tempo, especialistas em marketing e profissionais da área de publicidade têm concentrado seus esforços na classe C, a emergente classe média do Brasil. Isso faz sentido: as cifras mais recentes indicam que, no Brasil, mais de 105 milhões de pessoas — 55 por cento da população — pertencem a essa classe. Em junho de 2011, a Fundação Getúlio Vargas, que desenvolve muitas pesquisas sobre a economia e a sociedade do país, informou que, entre maio de 2010 e o mesmo mês em 2011, cerca de 3,6 milhões de brasileiros passaram das classes D e E para a classe C, tornando-a a classe socioeconômica de mais rápido crescimento do país. Segundo o instituto de pesquisas Data Popular, 58 por cento dos brasileiros farão parte da classe C até 2014.

Devido ao seu intenso crescimento, a classe C vem sendo intensamente estudada, principalmente quanto ao uso de mídias. Apresentaremos, a seguir, cinco maneiras pelas quais os profissionais em publicidade, marketing e mídia podem alcançar a classe C.

Entre no mundo digital
Há muitos anos tem prevalecido a percepção de que as pessoas da classe C não estão on-line porque não têm condições de contratar serviços de internet ou não entendem muito de tecnologia. Essa percepção é absolutamente equivocada: segundo Renato Meirelles, diretor do Data Popular, 46 por cento dos brasileiros da classe C têm acesso à Internet.
Além disso, o instituto de pesquisas e-bit relatou, em 2011, que 52 por cento dos consumidores que usam a internet no Brasil pertencem à classe C. Num futuro próximo — em 2015 —, o nível de consumo da classe C será equivalente ao das classes A e B juntas. Considerando o atual poder de compra da classe C, de um trilhão de reais, é muito provável que um número muito maior de pessoas da classe C estará on-line brevemente.

Use o Poder da Mídia Impressa
Contrastando fortemente com o que se observa nos Estados Unidos e na Europa, a mídia impressa é muito forte no Brasil. Por exemplo, a circulação de jornais brasileiros aumentou 3,5% em 2011 e eles ficaram em segundo lugar no ranking dos investimentos publicitários. As revistas, por sua vez, bateram recordes em termos de receitas em 2011 e sua circulação aumentou em cinco por cento. De acordo com Pedro Silva, diretor do Instituto Verificador de Circulação (IVC) — que monitora os percentuais de circulação e renda da mídia impressa brasileira —, a classe C é diretamente responsável por esse aumento na circulação de jornais.

Inclua a TV por Assinatura no seu Plano
O consumo de mídia da classe C ampliou-se para a TV por assinatura. Segundo o diretor da Associação Brasileira de TV por Assinatura, 30 por cento da base de assinantes de televisão paga no Brasil pertencem à classe C. Treze milhões dos lares brasileiros têm TV por assinatura, o qual se traduz em 39 milhões de pessoas, considerando que cada domicílio é composto, em média, por 3,3 pessoas. Isso significa que a TV por assinatura é um veículo por meio do qual os anunciantes podem alcançar um público em potencial de 11,7 milhões de pessoas da classe C.

Desenvolva uma Estratégia Social para a Classe C
No outono de 2011, o instituto Data Popular relatou que quase 60 por cento da classe C estavam usando mídias sociais. Além de usar o Orkut intensamente, a classe C também está aderindo ao Facebook rapidamente. Na verdade, um estudo publicado em 2011 pelo Grupo.Mobi e pela W/McCann indicou que 56 por cento das pessoas da classe C acessam o Orkut usando seus celulares e que 50 por cento acessam o Facebook da mesma maneira. Esses percentuais superaram os registrados para pessoas da classe B que acessam esses sites por celulares.
Essa tendência não surpreende, considerando-se que a taxa de penetração das mídias sociais no Brasil é de 97 por cento. Na verdade, um estudo publicado em dezembro de 2011 pela empresa Experian Hitwise indicou que o tráfego em sites de mídia social no Brasil supera o registrado para sites adultos.

Use o Marketing por Celular
Um estudo realizado em 2011 pela empresa Kantar Worldpanel Brasil revelou que as pessoas da classe C possuem 57 milhões de linhas de celulares, muito mais que as da classe AB, que têm 39,5 milhões de linhas. Além disso, 40 por cento das pessoas da classe C tinham duas linhas de células naquele ano, contra 31 por cento dos brasileiros das classes AB, e embora alguns acreditem que as pessoas da classe C compram principalmente telefones básicos com recursos limitados de multimídia e internet, a pesquisa do Grupo.Mobi revelou que 19 por cento dos proprietários de smartphones do Brasil pertencem à classe C. O estudo da Kantar, por sua vez, sugere que o número de proprietários de smartphones da classe C é ainda maior: ele afirma que 36,1 milhões dos smartphones usados no Brasil pertencem a pessoas da classe C, enquanto as da classe AB possuem cerca de 39 milhões. Além de ter smartphones, “os usuários da classe C consomem mais conteúdo móvel, jogos e vídeos”, afirma Marcio Chaer, diretor regional para a América Latina da Associação de Marketing Móvel.

Para saber mais sobre como podemos ajudá-lo a alcançar o mercado brasileiro com uma campanha estratégica por meio de qualquer tipo de mídia, entre em contato conosco pelo endereço: info@usmediaconsulting.com.

[twitter style=”vertical” float=”left”] [fblike style=”box_count” float=”left” showfaces=”false” width=”450″ verb=”like” font=”arial”] [linkedin_share style=”top” float=”left”] [fbshare type=”button” float=”left”]

Brazil’s Ad Market Grew by 8.5% in 2011

Figures just released by Projeto Inter-Meios show a total billing by the Brazilian ad industry of 39 billion reales ($US22.5 billion), with 28 billion reales (US$16 billion) corresponding to pure ad space sales.

In 2010, the industry billed 21 billion reales, growing 20% compared to 2009. Free TV is still the leader in ad spend in Brazil, capturing 63% of the total. Below is a quick breakdown:

Note that Projeto Inter-Meios shows Internet as having only 5.1% of total ad spend in Brazil, while IAB Brasil’s figures show online capturing 10% of ad spend. That may because of the way Internet ad spend is tallied. IAB Brasil brings together both search and display, since these components each make up 50% of the online ad spend in Brazil. Projeto Inter-Meios does not seem to make that distinction, hence the difference between the two organizations’ figures.

Despite this difference, Projeto Inter-Meios observed that Internet ad spend grew by nearly 20% in 2011, more than any other medium. Out-of-home in Brazil also posted impressive growth in 2011—it grew by 12%. Brazilian print media also grew well in ad spend in 2011: newspapers gained 3.8% and magazine ad spend went up by 3.5%. These strong print numbers match other recent statistics that show the medium is doing quite well in Brazil, unlike in other markets. According to Projeto Inter-Meios, the only Brazilian media to show drops in 2011 were cinema and guides.

To find out how we can help you reach Brazil via a strategic campaign across all media, please contact us at info@usmediaconsulting.com.

[twitter style=”vertical” float=”left”] [fblike style=”box_count” float=”left” showfaces=”false” width=”450″ verb=”like” font=”arial”] [linkedin_share style=”top” float=”left”] [fbshare type=”button” float=”left”]

 

 

El mercado de publicidad en Brasil creció en un 8,5% en 2011

Números que acaban de difundir Projeto Inter-Meios indican que la industria publicitaria de Brasil facturó un total de 39 billones de reales ($US22.5 billones), con unos 28 billones de reales (US$16 billones) correspondiendo a puras ventas de espacios publicitarios.

En 2010 la industria facturó unos 21 billones de reales y creció en un 20 por ciento comparado con 2009. La televisión abierta aún acapara la mayor parte de la inversión publicitaria en Brasil: en 2011 obtuvo el 63 por ciento. A continuación incluimos una tabla que demuestra cómo se dividió la torta publicitaria entre los medios brasileños en 2011:

Cabe notar que Projeto Inter-Meios indica que internet sólo acaparó un 5,1 por ciento de la inversión publicitaria en Brasil, mientras que IAB Brasil reporta que online comprende un 10 por ciento de la inversión publicitaria del país. Esto quizás se deba a la forma en que se calcula la inversión publicitaria en internet. IAB Brasil obtiene su cifra al sumar tanto anuncios display como de búsqueda, ya que cada uno de estos formatos acapara un 50 por ciento, respectivamente, de toda la inversión publicitaria online en Brasil. Sin embargo, Projeto Inter-Meios no parece tomar esto en cuenta; de ahí la discrepancia en cuanto a la cuota de online en la inversión publicitaria del país.

A pesar de esta diferencia, Projeto Inter-Meios ha observado que la inversión publicitaria online en Brasil creció casi en un 20 por ciento en 2011, más que cualquier otro medio. La publicidad exterior en Brasil también disfrutó de crecimiento significativo —un 12 por ciento— en 2011. Los medios impresos en Brasil también aumentaron en inversión publicitaria en 2011: la inversión en periódicos incrementó en un 3,8 por ciento y la inversión en las revistas aumentó en un 3,5 por ciento. Este crecimiento para medios impresos compagina con otras estadísticas que indican que a los medios impresos les va muy bien en Brasil, a diferencia de lo que está sucediendo en otros mercados. Según Projeto Inter-Meios, los únicos medios brasileños que sufrieron descensos en inversión publicitaria en 2011 fueron cine y las guías/listados.

Para averiguar más sobre cómo podemos ayudarle a llegar al mercado brasileño a través de una campaña estratégica en cualquier tipo de medio, por favor contáctenos: info@usmediaconsulting.com.

[twitter style=”vertical” float=”left”] [fblike style=”box_count” float=”left” showfaces=”false” width=”450″ verb=”like” font=”arial”] [linkedin_share style=”top” float=”left”] [fbshare type=”button” float=”left”]

 

 

dreamstime_xs_18417787

O boom dentro do boom

Não é nenhuma novidade que a economia da América Latina está aquecida. Muitos artigos e reportagens têm relatado como o PIB da região está crescendo e como o Brasil tornou-se a sétima maior economia do mundo. Muito também tem sido falado sobre o aumento de gastos com publicidade na região de um modo geral, que aumentaram 21 por cento em 2010. Alguns aspectos desse fenômeno, no entanto, passaram despercebidos pelos próprios meios de comunicação na sua cobertura jornalística. Afirmo isso pelo seguinte: neste exato momento, o mercado de mídia está crescendo com mais força do que nunca na América Latina. Para corroborar essa afirmação, apresento, a seguir, quatro aspectos importantes do cenário da mídia na América Latina na atualidade e no futuro.



A mídia impressa é poderosa
Enquanto a circulação e as receitas publicitárias de jornais e revistas nos Estados Unidos e na Europa sofreram sérios reveses nos últimos anos, elas cresceram expressivamente na América Latina. Além disso, há sinais de que continuarão a crescer:

  • Circulação dos jornais: Crescimento de 5% em 2010
  • Receitas publicitárias de jornais: Crescimento de 65% entre 2005-2009, aumentando em 17% em 2011 e posteriormente a uma taxa de 14% ao ano até 2016
  • Receitas publicitárias de revistas: Crescimento de 15% em 2010, com projeções de aumentarem em 12% em 2011 e, posteriormente, em 10% ao ano até 2016


Mercado on-line em forte alta
A internet pode ser o setor de maior crescimento em meio ao boom das mídias na América Latina. Durante muitos anos, a publicidade on-line foi o “patinho feio” da região, mas agora ela está se tornando um lindo e grande cisne. Os números confirmam essa afirmação:

  • O público aumentou: 182 milhões de usuários na última contagem, representando um crescimento de 927% desde 1999
  • Crescimento rápido: A população on-line da América Latina aumentou 15% em 2010 e o Brasil lidera esse crescimento, com cerca de 74 milhões de internautas
  • Mais tempo on-line: os internautas da região passam, em média, 24 horas por mês conectados à internet, não muito menos que os internautas dos Estados Unidos, que passam 32 horas por mês on-line
  • Gastos com publicidade on-line na região como um todo: Os gastos com publicidade on-line na América Latina como um todo devem crescer a uma taxa de 13% ao ano nos próximos cinco anos, dobrando para US$ 4,2 bilhões até 2014
  • Gastos com publicidade on-line nos países individuais: em 2010, os gastos com publicidade on-line cresceram em 50% na Argentina, para US$ 130 milhões, em  19% no Brasil e em  35% no México, subindo para US$ 289 milhões
  • Mercado de comércio eletrônico bastante aquecido: esse é um mercado de US$ 22 bilhões na região como um todo, de US$ 7,4 bilhões no Brasil, de R$ 2,6 bilhões na Argentina e no México e de US$ 550 milhões no Chile


A televisão continua no topo do ranking
A principal mídia usada na região continua no topo do ranking — e batendo recordes, de acordo com as cifras mais recentes:

  • Receitas em alta: Em 2010, os gastos com publicidade televisiva na América Latina aumentaram 13%
  • Uma fatia maior: A televisão  deteve 62% de todos os gastos com publicidade na região, um recorde
  • TV a cabo cada vez mais popular: A televisão aberta continua sendo a mais assistida, mas a TV por assinatura está em franco crescimento, com previsões de que o número de assinantes dobre para 67 milhões até 2014
  • Maiores mercados de TV paga para manter em vista: o do México, que tem 10,8 milhões de domicílios com TV por assinatura, seguido pelo do Brasil, com 9,8 milhões, da Argentina, com 7,9 milhões, e da Colômbia, com 5,9 milhões


O poder da publicidade externa (OOH)
O mercado da publicidade externa também está bastante aquecido na América Latina, com resultados não menos impressionantes.

  • Grande e ficando maior: Em 2011, os gastos gerais com publicidade externa na América Latina chegaram a US$ 1,2 bilhão e as projeções sugerem que eles duplicarão até 2016, alcançando a marca dos US$ 2,3 bilhões
  • De olho no Brasil: Em que pesem as restrições impostas à publicidade externa em cidades como São Paulo, o país tem um mercado de US$ 464 milhões nessa área
  • Desenvolvimento digital: O mercado de OOH digital está crescendo rapidamente em vários países latino-americanos, mas bem mais acentuadamente no Brasil, onde cresceu 58% em 2010 e deve crescer 60% em 2011

Para saber mais sobre como podemos tirar o maior proveito possível desse boom da mídia em prol da sua empresa, entre em contato conosco pelo endereço info@usmediaconsulting.com.

[twitter style=”vertical” float=”left”] [fblike style=”box_count” float=”left” showfaces=”false” width=”450″ verb=”like” font=”arial”] [linkedin_share style=”top” float=”left”] [fbshare type=”button” float=”left”]

Cinco lições sobre os internautas argentinos

Em junho de 2011, a empresa comScore publicou um estudo intitulado El Estado del Internet en Argentina (a situação da internet na Argentina), cujas verificações são muito interessantes, se adequadamente interpretadas. Apresentaremos, a seguir, algumas das principais verificações do estudo e o que elas significam para profissionais de marketing e anunciantes.


Verificação no. 1 – Os argentinos são os que passam mais tempo na internet

Com 12,9 milhões internautas, a Argentina é o terceiro país com o maior número deles na América Latina, atrás do Brasil (41,5 milhões) e do México (19 milhões) e pouco à frente da Colômbia (12,7 milhões). No entanto, os argentinos passam mais tempo na internet do que quaisquer outros latino-americanos: 27,4 horas por mês, contra 25 no Brasil e no México, e quatro horas a mais do que a média mundial, que é de 23 horas por mês.
>>>O que isso significa: Mais tempo na internet oferece mais oportunidades e uma frequência maior para atingir esse público com seus anúncios. E esse mercado vale a pena: além do fato de o mercado do comércio eletrônico ter crescido 48% na Argentina em 2010, o país está entre os 30 mercados emergentes de varejo mais aquecidos do mundo.


Verificação no. 2 – Os argentinos passam muito tempo fazendo buscas na internet

Como a maioria dos internautas no resto do mundo, os argentinos adoram fazer buscas na internet. Quase 97% deles usam a internet para fazer buscas, 89% dos quais preferem usar o Google para esse fim. Cada internauta argentino faz, em média, 175 buscas por mês, o que classifica a Argentina entre os países que registram as maiores taxas de buscas do mundo. Vários outros países latino-americanos fazem parte dessa lista, como a Colômbia (que ocupa o primeiro lugar, com 233 buscas mensais), Peru (203), México (178), Venezuela (168) e Brasil (150).
>>>O que isso significa: Os anúncios de busca do Google tendem a gerar uma enorme quantidade de impressões e cliques, ao mesmo tempo em que expõem a sua marca a quase todos os internautas do país. Contamos com diversos profissionais certificados pelo Google para ajudá-lo a planejar, gerenciar e otimizar campanhas de publicidade de busca.


Verificação no. 3 – Os internautas mais assíduos da Argentina são jovens

Jovens de ambos os sexos na faixa etária dos 15 aos 24 anos passam mais de 30 horas por semana conectados à internet na Argentina, situação bem diferente da observada nos Estados Unidos, por exemplo, onde os internautas mais assíduos têm de 45 a 54 anos de idade. Quase 28% dos internautas do sexo masculino da Argentina têm de 15 a 34 anos de idade, enquanto 26% são jovens mulheres na faixa etária dos 15 aos 34 anos, de modo que se pode concluir que os jovens representam, de longe, a maior parte dos internautas do país.
>>>O que isso significa: Para anunciantes desejosos de atrair esse público mais jovem, a tecnologia, o entretenimento e os jogos são boas opções. Confirmando essa afirmação, o CNET, do qual somos representantes exclusivos na América Latina, é o terceiro site mais popular de notícias tecnológicas da Argentina, com 500.000 visitantes únicos por mês, enquanto o last.fm. ocupa a oitava posição entre os sites de música. O Gamespot, por sua vez, está entre os 12 sites de jogos mais populares do país, com 182.000 visitantes individuais por mês. Obviamente, o fato de mantermos estreitas relações com mais de 1.000 editoras da região significa que podemos customizar campanhas com muitos outros sites que atraem esse público mais jovem.


Verificação no. 4 – Os argentinos adoram sites locais de notícias

Como uma categoria, as notícias atraem 71% dos argentinos conectados à internet. Esse percentual é significativamente mais alto que o registrado na mesma categoria no Brasil (56%), México (55%) e Colômbia (59%). O Grupo Clarín e o Grupo La Nación são os líderes na categoria das notícias, atraindo 44% e 31% dos internautas do país, respectivamente. O MSN News fica em um distante terceiro lugar, com 13%.
>>>O que isso significa: Os dados acima refletem a preferência do mercado argentino por sites de notícias locais. Na verdade, essa preferência constitui um desafio de mercado para anunciantes dos Estados Unidos ou de fora da Argentina. No entanto, a US Media Consulting mantém relações com os principais jornais da Argentina e de outros países latino-americanos há quase uma década, desde o tempo em que muito poucas empresas tinham interesse no mercado on-line latino-americano. Por essa razão, podemos ajudar anunciantes de fora da Argentina a posicionar-se adequadamente no mercado do país e a atingir o seu público.
Verificação no. 5 – Os argentinos adoram os sites de esportes

Considerando como o país é apaixonado por futebol, essa verificação não surpreende. Em março de 2011, 38% dos internautas argentinos visitaram um site de esportes. Só o Brasil igualou esse número, enquanto os percentuais registrados para o México e a Colômbia nessa categoria foram de 25% e 28%, respectivamente. Alguns dos sites esportivos de maior alcance na Argentina são o Ole.com.ar e o Gran DT e os internatas do país passam, em média, quase 70 minutos no Ole a cada visita.
>>>O que isso significa: Se o seu produto ou produtos são dirigidos a jovens do sexo masculino, sites esportivos como o Ole certamente gerarão muitos cliques. Nossas relações com as mídias argentinas podem ajudá-lo a atingir esse segmento demográfico com diversas opções.

Para saber mais sobre como podemos ajudá-lo a ampliar seu alcance no mercado da Argentina, entre em contato conosco no endereço info@usmediaconsulting.com.

[twitter style=”vertical” float=”left”] [fblike style=”box_count” float=”left” showfaces=”false” width=”450″ verb=”like” font=”arial”] [linkedin_share style=”top” float=”left”] [fbshare type=”button” float=”left”]

6 características básicas do mercado de mídia do Brasil

O Brasil se tornou uma espécie de sensação no mundo dos negócios, e com razão: um PIB em expansão, 190 milhões de clientes em potencial e um mercado de mídia bem desenvolvido estão atraindo muita atenção para o país. Você também pode anunciar seus produtos lucrativamente no Brasil sem precisar, necessariamente, manter uma presença local no país. As características básicas do mercado de mídia do Brasil apresentadas a seguir lhe darão uma boa noção dos seus possíveis benefícios e desafios.


Característica no. 1 – O mercado de mídia do Brasil é grande e, ao mesmo tempo, pequeno.
 Embora o país ofereça muitas opções de mídia, apenas sete empresas controlam 80% de tudo que é lido, ouvido ou visto no Brasil. As Organizações Globo reinam na televisão, cinema e rádio e também são competitivas na mídia impressa e na internet. Elas detêm cerca de 75% dos gastos com propaganda televisiva no Brasil. Além de ter um canal de televisão aberta, a Globo tem ações na Net Serviços, a maior empresa de televisão a cabo do Brasil, e na SKY, a maior empresa de TV por assinatura por parabólica no país. Na área da mídia impressa, a empresa Abril publica 73% das revistas mais vendidas no Brasil.

 


Característica no. 2 – A televisão domina o mundo da mídia.
Essa é a mídia com maior penetração no Brasil (taxa superior a 90%), detendo 60% dos gastos totais com publicidade. Os demais tipos de mídia ficam bem atrás: a mídia impressa, por exemplo, ocupa um distante segundo lugar, com uma fatia de 12,7%. Esse cenário é bem diferente do observado nos Estados Unidos, Reino Unido e até na Argentina, onde embora a televisão domine esse mercado, as outras mídias não ficam tão atrás. Nesse aspecto, o Brasil se parece mais com o México, onde 76% dos investimentos em publicidade são canalizados para a televisão.

 
Característica no. 3 – As revistas estão ganhando força.
A circulação de revistas no Brasil vem crescendo desde 2005, tendo alcançado a marca de 7% em 2010. As quinzenais são as que experimentaram o maior crescimento, de 21%, seguidas das semanais, que cresceram em 8,1%, e das mensais, cuja circulação aumentou 5%. Recentemente, a editora norte-americana Condé Nast estabeleceu uma parceria com a Globo, o maior conglomerado de mídia do Brasil, para criar uma nova empresa, a Edições Globo-Condé Nast, que lançará publicações populares da Condé Nast no Brasil, entre as quais a revista Vogue.


Característica no. 4 – A mídia on-line está ganhando terreno.
O Brasil tem 78.5 milhões de internautas, ocupando a oitava posição no ranking mundial de número de usuários de internet, segundo pesquisa da empresa comScore. Algumas fontes calculam esse número em 43 milhões, mas não levam em consideração o grande contingente de pessoas que usam LAN houses no país, como fez a comScore em sua pesquisa.
Considerando que a população do país é de 190 milhões de habitantes, a taxa de penetração da mídia on-line é de 38%, não tão alta quanto a registrada nos Estados Unidos ou em países europeus, mas em franco crescimento. O número de internautas brasileiros cresceu 20% em 2010 e a empresa Forrester’s, especializada em pesquisas voltadas para a internet, estima um crescimento de 18% por ano entre 2011 e 2016. O comércio eletrônico cresceu 40% no Brasil em 2010 e as projeções da Forrester’s sugerem que esse setor terá um crescimento de 178% até 2016, chegando a US$ 22 bilhões. Sete de cada 10 brasileiros que acessam a internet visitaram um site de varejo em dezembro de 2010, entre os quais os do Mercado Livre, Lojas Americanas e BuscaPé se destacaram. Sites de compras coletivas como o Clubeurbano atraíram 50% mais internautas individuais entre agosto e outubro de 2010. Além disso, o número de internautas individuais que acessaram sites de grandes bancos, como os do Itaú e do Banco do Brasil, aumentou 50% em 2010. O portal iG , por sua vez, vem registrando um tráfego de mais de 29 milhões de visitantes individuais por mês.


Característica no. 5 – A publicidade externa (OOH, na sua sigla em inglês) é um veículo poderoso.
  Leis que restringem o uso de outdoors em São Paulo e no Rio não reduziram, de forma alguma, o uso da publicidade externa. O que elas fizeram foi tornar as agências de propaganda mais criativas: elas passaram a usar projeções em edifícios, telas de plasma em restaurantes e painéis digitais em aeroportos e shopping centers para atingir seus públicos. E funcionou. É por isso que os investimentos em publicidade externa aumentaram em 16% em 2010, alcançando a marca dos US$ 464 milhões. Os investimentos em mídia OOH digital estão crescendo a taxas particularmente aceleradas no Brasil. Eles cresceram 58% em 2010 e, segundo as projeções, devem crescer outros 60% em 2011, chegando a US$ 147 milhões.


Característica n. 6 – No setor da mídia impressa, preste atenção nas publicações de nicho.
As classes A e B são as duas principais classes socioeconômicas no Brasil, seguidas pela classe C, uma classe média baixa, e pelas classes D e E, de renda mais baixa. Cerca de seis milhões de pessoas devem ascender da classe C para a B em 2011, à medida que a economia se expande e programas antipobreza do governo geram resultados concretos. Uma das tendências das classes emergentes no Brasil é a de consumir mais mídia, particularmente revistas, nas quais os brasileiros gastam mais que o dobro que em jornais. Além disso, eles estão procurando informações mais especializadas sobre decoração, moda, alimentos e outros temas. É por isso que mais publicações de nicho têm sido lançadas no país, como a Gloss, uma revista dirigida a adolescentes, com uma circulação de 140 mil exemplares. Outras publicações de nicho bastante populares incluem a revista Wish Report, dirigida ao mercado de artigos de alto luxo, e a Náutica, sobre iates de luxo.

Para saber mais sobre como podemos ajudá-lo a tirar o maior proveito possível do poder da mídia brasileira, entre em contato conosco pelo endereço info@usmediaconsulting.com.

[twitter style=”vertical” float=”left”] [fblike style=”box_count” float=”left” showfaces=”false” width=”450″ verb=”like” font=”arial”] [linkedin_share style=”top” float=”left”] [fbshare type=”button” float=”left”]